Autor

Guilherme Hamers

Browsing

A onda dos cafés especiais está começando em Belo Horizonte, a cidade do pão de queijo. O pão de queijo é mineiro por tradição e uma de suas melhores combinações é o cafezinho. Em Belo Horizonte você encontra o pão de queijo em praticamente qualquer estabelecimento, mas um café de qualidade, que esteja a altura do pãozinho de queijo “quentinho”, já é mais difícil. Acompanhe nosso artigo para saber como encontrar em BH uma cafeteria de qualidade, onde possa desfrutar um bom café especial. Acompanhe a seguir.

Já falamos aqui no Blog da Nonô o que torna um café especial. Existem várias particularidades, que envolvem desde a escolha dos grãos até o processo de torrefação. Para apreciar um café realmente especial, siga nossas dicas para escolher as melhores cafeterias em Belo Horizonte.

Conhecendo Belo Horizonte

Antes de mais nada, é preciso saber o tempo e objetivo de sua visita a BH. Se está na cidade a passeio ou a trabalho, o seu tempo e disponibilidade, pela distância, podem ser fatores decisivos. O centro de Belo Horizonte, a região mais provável de uma viagem a trabalho, é bem tradicional, e talvez por isso seja mais difícil achar uma cafeteria de cafés especiais. Existe também uma onda de valorização de bairros residenciais de tradição boêmia. Por isso, confira algumas dicas para sempre degustar o melhor café seja a passeio ou a negócios.

Cafeteria a trabalho em BH

Para escolher um bom café mesmo se está com pressa, indicamos ir do bom e velho espresso. Confira a máquina da casa, se usa o café em grão e moído na hora, e qual a procedência desse grão. Essa é a melhor escolha. Geralmente as casa com máquinas maiores e de aparência mais robusta possuem a moagem já no processo, o que garante uma degustação a altura mesmo na correria da rotina.

Cafeteria a turismo em BH

A passeio, tudo é válido. A dica é conhecer locais que oferecem experiências diferentes. Uma cafeteria de responsa vai oferecer uma degustação de grãos variados, torrefação e formas diferentes de coar. Além da harmonização com pães, queijos, charcutaria, o céu é o limite.

Escolhendo a cafeteria: fatores decisivos

Diversificação de grãos

Os grãos do café trazem consigo toda a particularidade do terreno que foram colhidos. Dependendo da altitude, clima, umidade e forma de plantio o sabor vai de A a Z. Por isso é uma verdadeira arte, saborear grãos de diferentes regiões. Fique atento à procedência e conheça a rica história de cada planta.

Tipos de cafés coados

Além da variedade de grãos, é importante a forma de extração do precioso líquido. Como detalhamos melhor aqui, no artigo Os Novos Métodos de Cafés Coados, existe uma infinidade de sabores diferentes em formas de coar variadas. As mais conhecidas são no pano, kalita e prensa francesa.

Torrefação

A torrefação do café é uma verdadeira arte. Nela são colocadas à prova as habilidades e sutilezas do chef responsável. Por isso, verifique se existem diferentes formas de torrefação na casa, quais são e peça para prová-las.

Noete Café Clube

Aqui na casinha, como gostamos de apelidar nosso querido QG, nos preocupamos com todos os detalhes. Temos uma variedade de grãos em nossa carta, sempre atualizados devido o nosso clube de café. Escolhemos os melhores fornecedores de fazendas que fazemos questão de visitar e conhecer todo o processo, desde o plantio até a colheita e envio dos grãos verdes. Depois temos o processo de torra, que é feito aqui dentro mesmo, sendo visível ao público. 

Oferecemos uma degustação de todos os tipos e torrefações além de uma variedade de acompanhamentos harmonizados, montado criteriosamente por nosso Chef Guilherme Hammers. Ficamos no tradicional bairro de Santo Antônio, na região sul de BH. Um bairro aconchegante, famoso pelos seus bares. Faça-nos uma visita!

A prática da charcutaria é muito antiga e se mistura a própria evolução da sociedade humana, remonta ao século XV. No entanto, o termo é pouco conhecido no Brasil, vem ganhando espaço como uma opção fina de menus em bistrôs, restaurantes e casas especializadas. 

Existem algumas confusões sobre o que está no escopo da charcutaria, portanto desenvolvemos a seguir a definição completa do termo, as variações e nossas sugestões, afinal somos grandes apreciadores desta arte de fazer carnes. Afinal, o que é charcutaria e o que não é? Acompanhe.

O que é charcutaria?

A palavra charcutaria é de origem francesa, vem dos termos “chair” carne e “cuilt” cozido. Porém vai muito além de utilizar apenas a técnica de cozimento. No século XV devido a falta de refrigeração, existiam diferentes métodos de conservação de alimentos, utilizando sal, defumação, cozimento, etc. As técnicas eram aplicadas a diferentes tipos de carnes como porco, aves, boi ou a qualquer carne de caça. 

Portanto, charcutaria é a prática de conservação de alimentos aplicada sozinha ou em conjunto a diversos tipos de carne. De forma equivocada, muitos acreditam que uma casa de charcutaria trabalhe apenas com linguiças e carnes de porco, apesar de serem as mais comuns, o universo é bem mais extenso. Como toda área da culinária, a imaginação do cozinheiro e o conhecimento das técnicas é o diferencial para um produto excepcional. Nós aqui na Noete temos a Charcutaria Local como parceiros que oferecem os melhores preparos que já experimentamos.

Os mais conhecidos tipos são o presunto, patê, salame e linguiça defumada, encontrados em qualquer açougue. Nós da Noete, vamos trazer algumas especialidades que adoramos neste universo.

4 Tipos de Charcutaria

Existem muitos tipos diferentes de charcutaria que você pode servir para os seus convidados, como patê, jamon ibérico ou mortadela. Em vez de listar todas as opções possíveis, aqui estão quatro opções exclusivas das quais você talvez nunca ouviu falar antes, que seriam um ótimo complemento para qualquer bandeja de charcutaria:

Rillettes

Uma charcutaria francesa semelhante ao patê, mas com uma textura mais grossa. A idéia básica é que a carne seja cozida lentamente até que possa ser desfiada. Coelho, ganso e pato são tipos comuns de carne usados ​​para isso.

Como servir

Rillettes podem ser servidos frios ou em temperatura ambiente, depois espalhar sobre pão ou torradas.

Mousse

Ao falar de charcutaria, mousse refere-se a uma mistura de carne e fígado que é feita em um misturador de carne e coada de maneira tão fina que adquire uma textura cremosa.

É semelhante às rillettes por ser um prato de carne que pode ser espalhado, mas a principal diferença é que ele tem uma consistência muito mais suave e semelhante ao patê. Um dos tipos mais populares de mousse é o fígado de galinha, que geralmente é preparado com especiarias, creme e até um pouco de vinho para obter um sabor rico e uma textura sedosa.

Como servir

Embora a mousse deva ser cozida antes de ser consumida, geralmente é servida fria e tem um sabor ótimo com torradas ou até mesmo pedaços de frutas.

Salame

O salame é carne moída misturada com especiarias (e geralmente vinho), envolvida em tripas de salsicha e depois seca. Existem muitos estilos diferentes de salame, alguns dos mais comuns são a soppresatta da Itália, o chouriço da Espanha e o saucisson sec da França.

Como servir

O método de servir depende em grande parte do tipo de salame. O salame de Gênova é bom para ser cortado em fatias finas em um cortador de carne e colocar em um sanduíche. O chouriço é comumente usado como um ingrediente que adiciona um sabor robusto aos pratos cozidos e pode ser encontrado em qualquer coisa, desde café da manhã a entradas de peixe e acompanhamentos de batatas. Soppresatta é geralmente fatiada um pouco mais grossa e servida como aperitivo com queijo e frutas.

Presunto

O presunto é geralmente um corte gordo de carne que é curado em sal e pendurado para secar por vários meses. O presunto é geralmente feito de carne de porco, mas cordeiro, pato ou outras carnes curadas que passam pelo mesmo processo também podem ser considerados um tipo de presunto.

Como servir

Devido à sua textura densa, o presunto é tipicamente fatiado muito fino em um cortador de carne especializado e pode ser servido de várias maneiras. Você pode servi-lo enrolado em frutas ou cobrindo outras carnes e cozido com uma casca crocante. É um delicioso recheio de pizza; pode ser picado e adicionado aos pratos de quiche ou macarrão, ou pode ser consumido sozinho.

Agora que você já sabe mais a respeito da charcutaria e seus principais pratos, venha até a Noete saborear nossos cortes exclusivos, servidos de forma especial, harmonizados com queijos e pães seguidos de um café mais que especial.

O Tiramisù é uma receita com café deliciosa e ideal para quem não gosta de sobremesas doces demais. Essa é uma das sobremesas mais famosas da Itália, e que virou paixão internacional!

E nesse post vamos falar mais sobre a história dessa delícia e ainda te ensinar uma receita super-rápida de fazer. Então não deixe de ler até o final!

A história do Tiramisù

Segundo registros históricos essa sobremesa surgiu na região de Toscana, na Itália. Originalmente ela leva biscoitos champagne umedecidos com café, creme de Mascarpone (um queijo muito tradicional no local), vinho marsala e cacau em pó.

Esse doce é uma espécie de pavê que tem um gosto mais forte por conta do queijo e do café. E ele tem algumas histórias bem interessantes por traz do seu surgimento. 

Uma delas que conta o prato foi criado em homenagem à um dos senhores de Florença, quando Siena, na Toscana, foi invadida pela família dos Médici, por volta do século XVI. A princípio ele teria sido criado para Granduque de Florença.

O engraçado é que o objetivo da receita não era deliciar o paladar do nobre, mas, sim, ajudá-lo a ter herdeiros.  

Uma coisa curiosa é que na receita original, não havia café nem chocolate. Esses elementos foram acrescentados depois, quando o doce se popularizou em Toscana e por toda a Itália

Com o passar dos anos, obviamente que o prato foi sofrendo várias adaptações. Por exemplo, atualmente, muita gente não usa o creme de Mascarpone, mas, sim, o cream cheese. 

Isso porque essa segunda opção é bem mais fácil de encontrar, e traz um toque adocicado igualmente delicioso. Além disso, é comum substituir o cacau em pó por chocolate raspado, para quem gosta de algo mais adocicado. Mas a verdade é que todas as versões dessa delícia são maravilhosas! 

Veja o passo a passo para fazer essa deliciosa receita com café

Gostou de saber mais sobre a história do Tiramisú? Então confira essa receita simples e deliciosa feita por ninguém menos que a querida Ana Maria Braga. Ela traz elementos do tradicional doce italiano, mas com um toque bem brasileiro por conta da cachaça. 

Ingredientes

Base

  • 360 ml de café forte coado
  • 60 ml de cachaça
  • 1 colher (sopa) de açúcar
  • 180 gramas de biscoitos champanhe

Creme

  • 60 ml de suco de limão
  • 100 gramas de açúcar
  • 300 gramas de cream cheese
  • 120 ml de leite
  • 200 ml de creme de leite

Para polvilhar

Chocolate em pó

Modo de preparo

Base

Misture o café, a cachaça e o açúcar e reserve para umedecer os biscoitos.

Creme

Bata todos os ingredientes na batedeira até homogeneizar.

Montagem

Em um refratário retangular ou taça (24 x 16 cm), disponha uma camada de biscoitos umedecidos na mistura de café e outra de creme.

Repita o processo até terminarem os ingredientes, finalizando com creme.

Leve à geladeira por no mínimo 3 horas e, na hora de servir, polvilhe o chocolate em pó.

Como coar o café para fazer o Tiramisú?

Essa receita com café exige um detalhe que faz toda a diferença no Tiramisù, o café coado forte! Ele é essencial para trazer equilíbrio e acidez para a sobremesa, evitando que ela fique enjoativa. 

Existem algumas formas de passar café forte, inclusive, você pode conferir várias delas no nosso post “Os Novos Métodos de Cafés Coados”. Mas, se o objetivo é ter uma bebida com gosto forte e notas mais amargas, assim como pede a receita, um dos métodos mais fáceis é o que utiliza o coador de pano.

Nesse caso é importante escolher uma moagem de café média ou grossa para obter os melhores resultados. Você também pode usar o coador de papel. A bebida ficará mais suave, mas ainda ideal para o Tiramisù. 

Gostou dessa receita com café? Então aproveite para conferir outro prato delicioso, a costelinha barbecue com café.

Fazer uma receita com café é uma excelente ideia para quem deseja arrasar naquele almoço de domingo, ou jantar especial. Isso porque, esse grão amado em todo o mundo, dá um toque todo especial ao prato. 

Em países como a Itália, por exemplo, ele é utilizado amplamente dentro da culinária. Desde o preparo de sobremesas, até de molhos. Além de trazer um aroma diferenciado, ele também dá um toque de acidez na refeição! 

Mas, é importante usar um produto de qualidade na hora do preparo. O grão de café faz toda a diferença, uma vez que cada tipo apresenta características específicas. Você pode conferir mais sobre o assunto no nosso artigo “Grão de Café: Conheça os Tipos

Nesse post, você vai aprender a fazer uma deliciosa e original receita com café. Nossa Costelinha barbecue com café. Confira! 

Ingredientes e passo a passo 

A costelinha suína é uma opção deliciosa por si só. O molho barbecue, ou simplesmente, BBQ, como é conhecido nos EUA, já virou febre no Brasil. Mas com um toque de café, descobrimos que ela fica ainda mais extraordinária, trazendo uma experiência gastronômica única. Para fazer esse prato você vai precisar de:

  • 1 kg de costela suína com osso
  • ½ xícara de água
  • 2 xícaras (200ml) do nosso café especial do mês
  • 1 e ½ de cebola cortadas em brunoise
  • 2 folhas de louro
  • 3 dentes de alho repicados
  • 2 colheres (sopa) de mostarda dijon (30 g)
  • Sal e pimenta-do-reino a gosto
  • 1 lata de tomate pellati
  • 2 colheres de sopa de azeite
  • 1 colher de sopa de aceto balsâmico
  • 1/3 de xícara de ketchup

Modo de preparo

  1. Refogar as cebolas, o alho e o louro até a cebola ficar transparente;
  2. Sele a costela na panela, adicione ½ xícara de água e cozinhe a costela por 30 minutos em panela tampada;
  3. Retire a costela do fogo, e separe o fundo da panela. Em um liquidificador, bata o café, ketchup, mostarda, tomate pellati, azeite, pimenta do reino e o fundo da panela;
  4. Coloque a costela numa fôrma, a pincele com a mistura de café e leve ao forno até dourar completamente.

Depois de dourada e assada, você já pode servir. Dica, para deixar essa receita com café ainda mais deliciosa, escolha um bom acompanhamento, como purê ou batatas fritas! 

Maneiras de usar café nas receitas

O café é extremamente versátil. Apesar de boa parte das pessoas usa-lo apenas no formato de bebida, os grãos e o pó são verdadeiros coringas da culinária. 

Uma forma clássica e infalível de usá-lo é com chocolate. Seja em um drink, no bolo, ou até mesmo em um brownie. Isso porque, o amargor e acidez do café, complementam o doce do chocolate, criando uma deliciosa combinação.

Outra maneira de usá-lo, é para umedecer massas, como pão de ló. 

E sabia que até mesmo na defumação o café pode ser usado? Se você é um fã de carnes com aquele toque defumado, experimente usar o pó do café para fazer uma crosta na carne. Você verá que ele dará um toque todo especial! 

São tantas maneiras inovadoras que com certeza você vai achar uma ideal para o seu paladar, e que vai fazer sucesso em casa! 

Como garantir que as receitas de café saiam deliciosas? 

Nem sempre seguir os passos corretamente garante uma receita deliciosa. É necessário, também, investir em produtos de qualidade e adequados para o prato em si. 

Por exemplo, se você deseja fazer um prato doce, como o Tiramisu, talvez seja interessante usar um grão com características mais sutis, e coar o pó com um filtro de papel ou tecido, para garantir um sabor mais suave. Assim você não deixará a sobremesa amarga ou com um gosto muito ácido. 

Já no caso das receitas salgadas com mais gordura, como a costelinha barbecue, é interessante apostar em um grão mais ácido. Ele vai dar uma quebrada na gordura, criando uma explosão de sabor. Tudo vai depender do prato escolhido! 

Gostou dessa receita com café? Quer garantir grãos de qualidade para fazer e outras receitas? Então conheça o clube de assinatura da Noete!